sexta-feira, 3 de março de 2017

Rani e o Sino da Divisão, Jim Anotsu

A coragem de um Animal de Festa, como eu podia ver, consistia em se importar muito com tudo e com todos, a ponto de entrar em uma briga muito maior apenas para proteger aqueles que eram importantes para nós. Ninguém ali estava entrando em uma briga para salvar o mundo ou algo épico, o escopo da nossa batalha era muito menor. Lutaríamos contra Aiba para que pudéssemos nos reunir em Gertrudes, para tocar em uma banda de duas pessoas, ler quadrinhos e nos sentarmos no posto de gasolina. Pelas pequenas coisas que realmente importavam.
Ouvi falar bastante no Jim Anotsu, nome que se destacava como autor novo brasileiro entre os blogueiros literários que eu acompanhava. Assim, fiquei bem curiosa quando ele lançou Rani e o Sino da Divisão, com uma edição bonita e elogios de várias pessoas. É claro que, sendo eu, demorou algum tempinho para que o livro fosse parar nas minhas mãos, e mais um tempo razoável até que eu decidisse lê-lo. Isso provavelmente se deu por um motivo simples — eu queria gostar do livro, mas ao mesmo tempo não é exatamente o tipo de história que eu mais aprecio atualmente. Tenho lido pouca fantasia, que antes era um dos meus gêneros favoritos, e o enredo de Rani, com suas criaturas sobrenaturais e artefatos mágicos já não me chamava mais a atenção. Tudo isso para dizer que acho que a Marília do passado teria aproveitado muito mais o livro.

A primeira evidência é bem óbvia: Rani é uma adolescente fanática por música, literatura e nerdices, e o livro é cheio de referências à cultura pop. Eu tive uma fase bem fã, que ganhava o dia se visse alguém falando das minhas bandas favoritas e tal, mas embora algumas das citações tenha me feito sorrir (The Automatic, My Chemical Romance, Andrew Bird, Studio Ghibli, Abarat, Artemis Fowl...) isso não foi o suficiente para superar a quantidade de coisas com as quais eu simplesmente não me importava — basicamente todo o heavy metal. As referências funcionam como uma faca de dois gumes, ao mesmo tempo em que podem aproximar o leitor podem também deixá-lo bem deslocado. Não é nada que atrapalhe de fato o andamento da história, e achei inclusive um dos diferenciais do livro, mas para mim foi um pouco excessivo.

A outra questão é mais simples: como já disse antes, não ligo tanto para fantasia atualmente. O enredo do livro não conseguiu me prender nesse aspecto, e eu preferiria ver uma história de Rani e seus amigos em pequenas aventuras do que na jornada da protagonista contra Aiba. Inclusive achei o final um pouco frustrante, como é comum em qualquer história que tenha vilões tão grandiosos. Ainda assim, eu diria que esse problema também é mais “não é você, sou eu”.

Em relação aos personagens, creio que Jim Anotsu conseguiu criar um grupo carismático e variado, embora nem todos recebam desenvolvimento suficiente. Gostei especialmente dos adultos, adoraria ler mais sobre os avós de Rani. Outro aspecto que me interessou foi a questão de ser um livro brasileiro — além de algumas referências divertidas, o fato de o livro se passar em uma cidade do interior traz um quê de familiaridade, nem que seja imaginando os cenários como lugares que já visitamos.

Como não me importei muito com o enredo fantástico, a leitura acabou se arrastando, daí a minha avaliação baixa. No entanto, recomendo o livro para fãs de fantasia, música e para quem quer conhecer mais autores brasileiros. Apesar dos pesares, quero ler mais do Jim Anotsu no futuro.

Avaliação final:2,5/5

Nenhum comentário:

Postar um comentário